Buscar
  • Por revistanelore

DSM apresenta o Censo de Confinamento de 2021

Em encontro com jornalistas, a DSM também falou sobre o uso da tecnologia no campo para superar os desafios da pecuária


Um ano dinâmico para a pecuária, mas promissor pela valorização do preço da arroba para o segmento de corte, do bezerro na atividade de cria, e do leite. Essa é a avaliação do negócio de Ruminantes da DSM, dona da marca Tortuga® de suplementos nutricionais para animais, apresentada a jornalistas em um encontro em 8 de dezembro. Nesse cenário, os especialistas da empresa destacam que a pecuária de corte e leite, novamente, se mostrou resiliente às adversidades e importante para a economia do país.


“Se, por um lado os preços recordes da arroba e do leite beneficiaram os pecuaristas, por outro, a alta dos custos produtivos desafiou a gestão e a resiliência dos produtores, que tiveram de lidar com a variação do dólar, aumento de preços do milho, da soja e de outros insumos”, comenta Sergio Schuler, vice-presidente do negócio de Ruminantes da DSM para a América Latina.

E é nesse ambiente que o executivo avalia que a aplicação de tecnologias que aumentam a produtividade da pecuária tornou-se ainda mais evidente.


“É possível dizer que os desafios impulsionaram a adoção de tecnologias nas fazendas, pois os produtores tiveram de manter o foco nos resultados em todos os ciclos”, comenta Schuler.
Juliano Sabella Acedo, Sergio Schuler, Rafael Andrade, Marcos Baruselli e Túlio Ramalho.

Censo de Confinamento


Estruturado pelo Serviço de Inteligência de Mercado (SIM) da DSM, o Censo de Confinamento DSM 2021 registrou 6,5 milhões de bovinos confinados.


O número mostra um crescimento de 2% sobre o ano passado, quando o mapeamento da empresa identificou um total de 6,4 milhões de bovinos confinados, e 37% superior ao número de 2015, quando a empresa começou a fazer esse levantamento e contabilizou 4,7 milhões de bovinos produzidos nesse sistema intensivo.


Regionalmente, os três estados com maior rebanho confinado esse ano são Mato Grosso, São Paulo e Goiás, com 1,38 milhão, 1,12 milhão e 1,07 milhão de bovinos, respectivamente.


Sustentabilidade


Nesse ano, um grande avanço foi a aprovação regulamentar total das autoridades brasileiras para a comercialização do Bovaer®, o novo aditivo da DSM que reduz o metano emitido pelos ruminantes.


O Bovaer é adicionado à alimentação dos animais, com potencial de reduzir em até 90% as emissões entéricas de metano, como comprovado recentemente em um estudo australiano de confinamento de carne bovina. Um quarto de colher de chá do aditivo ao dia, por animal, inibe a enzima que ativa a produção do gás metano no estômago do ruminante. Segundo a DSM, o efeito é imediato e, se o uso for interrompido, a emissão de gases é retomada integralmente.


Reportagem publicada na edição de dezembro de 2021 da revistanelore. Leia a edição completa AQUI.